domingo, 24 de agosto de 2014

A Melhor Grife do Mundo



V   ersace
I     ódice
S    amsung
T    oyota
A   didas
-
S    ony
E    rmenegildo Zegna

D   olce & Gabbana
E    llus

A   bercrombie & Fitch
M   cDonalds
O   akley
R   olls Royce

A   pple

M  arlboro
E   SPN
L   amborghini
H   ering
O   sklen Rio de Janeiro
R   olex

G   ucci
R   eebok
I    BM
F   errari
E   ricsson

Q   atar Airlines
U   nilever
E   mbraer

E   verlast
X   Box One
I    nfiniti
S   mirnoff
T   ommy Hilfiger
E   bay


terça-feira, 19 de agosto de 2014

Efêmera Existência.





                O que torna um momento tão mágico e singular?
            É a brevidade da sua natureza, o simples fato de ser um curto intervalo limitado de tempo em um todo, onde tudo pode acontecer. Por que não é planejado, não está escrito, não foi premeditado. Cheio de surpresa invade nosso corpo desbravando nossos sentimentos mais profundos em uma escala tão atemporal que eu poderia facilmente escrever um livro de quinhentas páginas com cinco segundos da minha vida.
            Eu sempre gostei de quem tem uma boa história pra contar, e boa não significa com finais felizes, mas sim um sorriso no rosto de quem divaga experiências por ai sem embaraços, sempre com o tom da experiência em cada palavra, são boas conversas pra sexta à noite com os amigos no bar, sem dúvida. E isso me lembra duma porção de velhas histórias que já aconteceram comigo. Crônicas da minha vida sobre algumas das almas que cruzarem com a minha deixando uma porção de pontas soltas e laços mal feitos.
            Isso me lembra, particularmente, Erica.

            Cheguei tão cedo sábado na boate da cidade, acreditando que aquela noite seria tão fatal que não haveria mais espaço na pista... Estava vazio, ou realmente era cedo. Sozinho eu encostei-me ao muro e mandei uma mensagem para os amigos que chegariam mais tarde lá. Antes do celular descer das minhas mãos ao bolso do meu jeans rasgado meus olhos cruzaram o dela. Na verdade não, meus olhos cruzaram primeiro com aquela tatuagem super sexy na sua coxa esquerda, que o frio não parecia intimidar, era uma bela coxa com uma tatuagem, mas muito além, era uma linda moça com um sorriso encantador. Fiquei olhando, encarando, de longe apenas com aquela falsa sensação de que o olhar era retribuído, enfim entrei na festa.
            Lamentável ser o primeiro a pisar na pista de dança, sozinho e perdido até então. Já me era tão comum que eu nem lembraria daquela moça se ela não tivesse me abordado cinco minutos depois “oi, você é familiar, a gente se conhece será?” Em vinte e dois anos e alguns quebrados eu achei que isso só acontecesse em filmes. “nossa você é muito familiar também” mentia eu deslavadamente. “deve ter sido daquela festa lá..” definitivamente foi, pensei eu, ironicamente.
            Trocamos algumas palavras próximos ao bar da boate, meus amigos chegaram e visualizando a cena sumiram instantaneamente. Ela que estava com algumas amigas também havia deixado elas na pista, e eu estranhamente gostava daquela química misteriosa que surgia de uma maneira até então inédita. Dançamos, bebemos, sorrisos. Por alguns minutos mais adentro da madrugada eu me peguei silencioso apenas parado ao lado daquela desconhecida, ela ficava ali, parada também, meio olhar em mim, meio olhar para o vazio, aquilo que chamamos de ‘silencio constrangedor’ se a música não estivesse literalmente arrancando meus tímpanos pra fora. Como sempre muito devagar eu conclui: “ela deve querer algo, ninguém fica parado feito idiota do lado de um desconhecido” ainda mais esse último sendo eu “vamos pra outro lugar, tá muito barulhento aqui” disse eu, recebendo o aceno mundial com a cabeça para ‘sim’.
            Meu carro fedia a banana podre, na verdade era da minha vó, mas eu respirava aliviado acreditando que o carro super caro e maneiro compensaria o mau cheiro. A gente até tenta não acreditar nessa de impactos a primeira vista e status sociais, mas bem, fica pra outra hora. O mirante estava lindo, parecia uma passarela para dentro da madrugada estrelada, tendo a lua como protagonista no meu teatro casual.
            Eu por sorte tinha um violão no porta malas, e não adianta pensar que era golpe baixo, realmente estava lá por acidente. E então how deep is your love? eu disse com aquele sorriso libertino. Demos boas risadas ali, paramos de repente e o silencio acariciava nosso momento, dessa vez não constrangedor, mas sim em tom de ternura, que soprava com o vento levemente na minha orelha dizendo “beije logo essa mulé homi de deus”, e rindo do meu próprio eu-lírico dentro de mim me aproximei lentamente colocando a mão na nuca dela. Os enormes cabelos vermelhos ficaram ali pendurados no ar e nossas bocas quase se tocaram.
            “Algum problema?” eu disse, recuando dez centímetros dos centros de gravidade dos nossos lábios, sim eu meço esse tipo de coisa. “Não...” e quando uma mulher diz não, é sim, quando diz sim pode ser não, ou sim também, ou nada, ou até tudo. “Eu juro que poderia não te beijar hoje e passar o resto da madrugada olhando esse brilho bonito nos seus olhos, mas de verdade eu gostaria muito de te beijar e gostaria também que você me poupasse de tentar adivinhar o que você está tentando não dizer pra mim” Ela sorriu com as palavras, e sim, eu falo coisas bonitas, eu sempre fui uma espécie de poeta ou trovador, meus amigos acham que eu sou gay.
            “A gente nem sabe o nome um do outro... A questão é que eu tava pensando em como esses primeiros momentos são sempre tão mágicos e singulares, tudo devido à brevidade da sua natureza, ao limitado período de tempo em um todo onde tudo pode acontecer de modo tão atemporal que a gente poderia escrever segundos em quinhentas páginas...” Ela filosofava como a mãe dos meus filhos, eu poderia pedi-la em casamento ali mesmo, sem antes mesmo beija-la uma vez. Mas ela continuava falando e eu voltei a prestar atenção “...isso me incomoda, sabe, ter que depois jogar tudo isso fora, sabendo que o tempo vai passar e a realidade vai jogar essas coisas bonitas em uma história cheia de defeitos e imperfeições”
            Ela tinha toda a razão, a magia acabava, durava breve o suficiente para selar o momento e depois se perdia pelo ar com o fim do mistério, do novo, do desconhecido... “vamos fazer assim, tornar essa noite única, amanhã não nos veremos, sem telefones, nomes e nunca mais se encontraremos de novo, só assim daqui cinquenta anos, quando bem velhos a gente vai lembrar disso e de como foi perfeito em cada detalhe, sem que haja a menor chance de se tornar uma lembrança ruim” e terrivelmente aquilo fazia todo o sentido do mundo, eu desviei os olhos pro céu por um instante e pensei “diabos, por que não” e a beijei.
            Escorregava a mão pelo seu rosto e ela me apertava contra seu corpo, a gente quase deitou ali mesmo, mas o sereno havia molhado as madeiras do deck e o frio começava a arrepiar a nossa pele, eu fui dizer “quer ir pra...” e ela completou “MINHA casa.” Meu Deus por que eu não podia casar com aquela desconhecida. A gente chegou lá e meu cérebro de engenheiro até calculou um momento fletor de uma viga que começava a fletir na sala podendo vir a ruir num futuro próximo, mas logo ela estava semi nua e por deus se eu conseguia pensar em mais alguma coisa, abre parênteses para um texto inteiro sobre como ela era maravilhosa, fecha parênteses foi uma noite inesquecível das melhores possíveis.
            Ainda ali na cama dela eu identificava uma falha “como vamos tornar isso imortal se amanhã eu decidir aparecer na porta da sua casa com flores?” Ela sorriu, disse que eu era um fofo e então falou: “Eu me chamo Érica”. Eu fiquei particularmente confuso, e quando percebi, ela me chacoalhava perguntando meu nome. Fiquei tão embebido com aquilo tudo que na manhã seguinte fomos ao shopping almoçar e ao final ela disse “tenho que ir”, e eu em tom casual “ainda não tenho seu número” e ela franziu o rosto mudando de expressão e eu pensei ‘droga, ela realmente não mudou de opinião’. Ainda tentei um “mas se você for embora agora eu vou ver você se afastando e saindo por aquela porta, não é uma boa lembrança” Ela se aproximou carinhosamente, me deu um abraço, “feche os olhos” eu obedeci, ela me beijou ternamente em um momento particular infinito e concluiu “conte até cinco, engenheiro!” e assim feito, abri os olhos, ela não estava mais lá. Olhei todas aquelas pessoas na praça de alimentação, sentei, pedi um sorvete.
            Você deve pensar a uma altura dessas “claro que você foi atrás dela né?” e eu te digo, fui sim, inclusive no dia seguinte, e lá estava a casa dela, com uma placa de aluga-se estampada na janela, vazia.
            Quando consegui respirar de novo fui até lá e não consegui informação alguma sobre ela com o responsável. Passei dias feito espião da Interpol buscando um terrorista perigoso, e nada, só um nome, um primeiro nome “Ana” que estava relacionado a casa antes de ser alugada. Ou seja, ainda por cima seu nome se quer era o que eu achava que fosse. Eu olhava para aquela grafia linda quando ela escreveu “Erica” no meu braço naquela noite e quase apagado depois de alguns banhos eu ainda enamorava aquele ‘E’ bonito e grandioso que parecia relutar a se apagar dentre as outras letras. Foi ai que na dúvida comecei a chamá-la de Efêmera. Fazia todo o sentido.

            Eu relutei contra esse destino por semanas inteiras, escrevi e relatei aos amigos. A lenda da efêmera se tornou popular, e eu me recusava amargamente a acreditar que aquilo poderia ter tido um fim ruim mesmo com toda aquela química entre nós.
            Meses depois, hoje especificamente, eu a encontrei na mesma boate, ela estava linda, e ao me ver desviou claramente o olhar, me evitou e passou batido por mim, torcendo para que eu não a tivesse reconhecido. E então só ai eu percebi o meu erro de não imortalizar aquela história fechando as pontas que eu insistia em deixar soltas em sonhos que jamais se tornariam reais, e assim, deixava mais uma vez a realidade acabar comigo e tudo o que aquele rosto bonito um dia havia simbolizado para mim.
            Vesti meu casaco e fui embora. Não olhei para trás.
            A noite estava linda, como a efêmera existência.

***Gostou da história? um like aqui embaixo. Muito obrigado!
            

domingo, 3 de agosto de 2014

"Diz a lenda que trocou suas certezas por alguns sonhos mágicos..."


Quando éramos bem pequenininhos nós enxergávamos tudo no tamanho inversamente proporcional ao nosso. Era tudo grande demais. Era tudo longe demais. Era tudo mágico demais. E nós éramos tão pequenininhos... Onde foi que a gente estacionou a nossa magia? Onde foi que a gente se estendeu e se deixou secar por tanto tempo? O sol já passou, a magia não mais pinga, em que varal ficou aquele aval que dizia que a nossa única regra era ser feliz? Eu me lembro bem, a vida, propriamente dita, era só nossa exceção. Sim, nós tínhamos problemas e não eram só aqueles relacionados à nossa boneca ou a nossa pipa que rasgou. Não, não era. Eu e muitos de vocês crescemos tomando partido da briga dos outros, crescemos no meio de gritos e discussões, pais se separando, família aos cacos, mas mesmo assim, eu me lembro, nós nunca perdemos a esperança e era tão fácil acreditar que tudo ia dar certo no final. Você lembra? Éramos bem pequenininhos e a padaria parecia tão distante e as pessoas tão iluminadas. Quem eram teus heróis e heroínas

Eu também me lembro da liberdade que nós tínhamos, pois mesmo que sentíssemos medo e vergonha, tínhamos um estilo próprio. Só é mexer naquele arquivo morto, naquelas fotografias que revelavam só essência. Nossas roupas chegavam no pescoço, nosso cabelo era em homenagem ao nosso animal de estimação e nossos sorrisos denunciavam aquelas lindas cáries. E agora? Só nos sobrou a vergonha e um álbum no facebook preenchido pelo nosso vazio traduzido em fotografias, que evidenciam só a nossa própria face em várias cópias com roupas distintas, às vezes nem isso...  Afinal o que é ser adulto? O que significa ter responsabilidades? A gente cresce e o "ser" só faz sentido junto ao verbo ter.

Eu me lembro tão bem da primeira vez que uma risada me machucou, eu tinha 12 anos e estava na escola, dois homens foram fazer uma palestra sobre algo que não lembro e um deles me perguntou o que eu queria ser quando crescer, eu falei que iria fazer medicina. Ele riu e com uma voz de deboche disse que eu ia ter que estudar muito... Quantas vezes a gente já não fez isso agora que somos adultos? Quantas vezes não falamos "fulaninha tirou essa nota? Não acredito" ou pior, "nunca imaginei que fulaninho fosse capaz". Nós nos colocamos em uma posição tão superior e achamos que podemos ditar o certo e o errado. Crescer é isso? Isso me torna melhor do que uma criança?

 
Nós éramos espontâneos. Mataram a nossa espontaneidade. Nós éramos livres. Criaram e criamos jaulas invisíveis. Nós éramos gentis. Hoje olhamos para um morador de rua e falamos que ele tem os braços e as pernas e que pode muito bem arrumar um trabalho. Não somos mais capazes de entender que o coração dele pode está despedaçado. Não. Vivemos para ter a maior nota, o melhor elogio, o melhor emprego, queremos a láurea e até argumentamos para sermos vencedores do prêmio que evidencia a pessoa que mais tem problemas. Até nisso queremos ser "os melhores". Mais uma vez eu pergunto, onde foi parar aquele brilho no olhar? 

E eu fico aqui me perguntando: como queremos ser lembrados quando o nosso corpo já não pisar mais nessas terras? porque sim, vamos morrer um dia. O que deixaremos de realmente útil no mundo? Qual o legado que deixaremos para os nossos filhos ou amigos? Quais os motivos que realmente te dariam orgulho ao saber que as pessoas que você ama fecham os olhos e lembram de você? Falando por mim, posso dizer que não quero que sintam orgulho das minhas notas ou títulos, juro que não faço questão disso; não quero que sintam orgulho pelas madrugadas que eu passei estudando, definitivamente quero algo que tenha vida própria. Eu quero é que lembrem do meu sorriso, dos meus dentes escancarados, da minha espontaneidade, na minha fé nas pessoas e no valor imenso que eu dou ao amar e ao amor. Isso sim é um bom legado a se deixar. Por esses motivos eu acredito que vale a pena a nossa breve passagem através dos passos da existência.

Finalizo esse texto com aquela pergunta clichê que faz todo sentido:
"A criança que você foi teria orgulho do adulto que você se tornou?" 

sábado, 2 de agosto de 2014

As três criações do Diabo




Estava eu em um bar, um daqueles bares do fim da noite mesmo, daqueles que só o tipo mais esdrúxulo de bêbado frequenta, onde até mesmo as bebidas eram ruins, mas estava acompanhado. Nesse mesmo bar ocorreu a seguinte cena em que comecei a dissertar alguns fatos.
Embriagado com um pouco mais de três doses eu estava conversando com um amigo, um rapaz, relativamente cristão, mas nada muito alarmante. O álcool tem um efeito engraçado sob nossos filtros de vida, alguns dizem que ele libera quem realmente somos, acho isso uma mentira, das mais rudes, afinal somos nós mesmos com nossos filtros, sem os filtros das situações sociais não somos integralmente nós, falta alguma coisa, acredito que nessa circunstância específica faltava um pouco de bom senso de nossa parte. Foi então que eu ouvi a seguinte afirmação: “Deus, sim Deus, ele criou tudo que existe na Terra, criou toda essa maravilha que chamamos de vida - (nesse momento minha cara de desprezo não podia ser mais clara, afinal, estava sem bom senso, e às vezes me falta respeito em relação ao outro) - todo nosso destino, está tudo aí criado pelo senhor.” Achei digno, pensei comigo que cada um assiste a vida passar da forma que acha melhor, mas não me confortei com isso e precisei falar, burro que sou, precisei expor minha opinião. Foi então que com toda eloquência possível para a situação disse: “Eu não acho”. Ele me olhou, com um olhar surpreso, como quem acaba de ser pego desprevenido, então continuei: “Eu realmente não acho, sinceramente, eu acho que existem pelo menos três coisas que o Diabo criou, e afirmo ainda mais: o Diabo tem um senso de humor muito ácido e sagaz”.
Então, pedi mais uma dose, olhei meu reflexo no espelho, nunca gostei muito de confirmar como sou, respirei fundo e continuei, pois ele me olhava com um olhar de desafio, como quem diz: “Ok! Continue...”, estava tão nítido o rumo que a conversa entraria, estava muito mais que óbvio, mas decidi continuar: “O Diabo certeiramente merece um prêmio por suas criações, mas vamos comentar cada uma delas, você parece interessado, por que não? A primeira criação do Diabo, sem sombra de dúvidas, está descendo pela minha garganta agora, queimando-me por dentro e me removendo o pouco que me sobra de bom senso. O álcool, certeiramente é uma criação do Diabo, quem mais poderia criar algo que ao mesmo tempo nos facilita tanto algumas circunstancias e nos dificulta tanto outras? Quem mais criaria algo que deixa as pessoas sem nenhum tipo de pudor, ou bom senso em relação a existência alheia, como você pode perceber no que eu estou te expondo agora, faz total sentido ter sido o diabo o criador do álcool, estou tomando o Diabo agora, e logo menos estarei bebendo na porta da casa dele, para acertar minhas contas e perguntar por que ele criou as outras duas coisas.”
“A segunda criação é simples, algo tão simples que você nunca imaginaria que foi o Diabo seu criador. A estação da Sé – Nesse momento ele riu, não conseguiu conter o riso diante de uma afirmação completamente sem noção nem fundamento – continuando, a estação da sé, pense naquilo, só pense, e veja como além de ser um artista o Diabo é um arquiteto, e planejou aquilo de uma forma a deixar a vida de pelo menos seis milhões de pessoas o mais próximo do inferno pelo menos uma vez por dia, essa criação sem sombra de dúvida está vinculada ao senso de humor, como não se divertir com a cena que se passa? Eu entendo o Diabo às vezes, não acho que ele tenha uma infinita existência tediosa, mas é sempre bom se ocupar com algo que faça rir, eis que surgiu essa criação.”
Tomei a última gota do meu drink antes de ir para a terceira criação, meu amigo parecia incomodado com aquilo, não sei se era pela heresia do momento, particularmente eu não me interesso muito por isso, nem sequer ligo. Foi então que comecei a dissertar sobre a terceira criação do Diabo: “ A terceira criação do Diabo mostra toda sua ironia canalizada de uma forma tão mascarada que é engraçado, como eu disse, aprecio, e muito, o senso de humor do Diabo, sua terceira criação é atribuída geralmente a Deus, mas o amor foi criado pelo Diabo – Nesse momento senti que o ar da conversa se tornara pesado, meu amigo ficou incomodado com meu comentário, ao mesmo tempo que fez uma expressão triste, como quem sabe exatamente o que irá ser dito e iria concordar, mesmo sem querer – Você deve se perguntar por que o amor foi criado pelo Diabo, pelo seu senso de humor, claro, por qual outro motivo ele criaria isso? Mas a realidade é que eu não tenho a menor noção das motivações do Diabo, queria entender por que ele fez isso, por que fez esse sentimento. As pessoas usam o amor de uma forma extremamente descontrolada, amam tudo, amam todos, usam disso para obter poder sobre os outros, usam o amor das formas mais bizarras e incompreensíveis possíveis, eu tenho a plena certeza meu caro, o Diabo criou o amor, e tenho outra certeza: Eu não sei por que eu acho isso, apenas acho, sem embasamento teórico algum, e sinto que você acha isso também, não acha?”. Percebi seu rosto triste, sabia que tinha tocado em alguma ferida, causada pela terceira criação do Diabo, e certamente aquilo era o poder dessa criação. Senti uma tristeza pairar sobre a conversa.
Foi então que ele disse: “Você deveria ter mais cuidado com o que fala sabia?”. Então, com um tom de semi-ofensa e um sorriso meia boca respondi: “E você deveria tomar mais cuidado com o que anda não falando!”. Foi assim que a conversa terminou, vi seus olhos encherem de água, eu sabia, tinha a plena compreensão de que estava mexendo com segredos e questões que vão além do meu entender em relação ao meu amigo.

Fomos embora do bar, nos despedimos rindo da conversa non-sense, ele foi para casa e ligou para uma mulher, ingênuo que era. Enquanto eu fui embora a pé pensando: “ O irônico das três criações do Diabo, pelo que  sei por minha experiência, é que quando você usa muito, hora ou outra você acaba de fodendo. Ah! Como eu adoro esse senso de humor...” dei um sorriso triste e continuei andando.